Criada em laboratório uma sinapse artificial: a inteligência de máquinas

Nosso sistema nervoso é, na verdade, bilhões de células nervosas, os neurônios. Cada neurônio é composto de um corpo celular (pirenoforo) e uma série de extensões chamadas axônios, que constituem o meio através do qual ela viaja para o impulso nervoso.
Os axônios chegar na correspondência de uma área de interesse localizado em outro neurônio. Esta área recebe o nome de sinapse. Ao nível da sinapse neurônios a liberar uma substância, o neurotransmissor que propaga o impulso para o próximo neurônio. O neurotransmissor pode ser inibitória ou excitatória. Dependendo do tipo de neurotransmissor neurônio envia um sinal ao invés de outra.
Como tem sido recriado nas sinapses artificiais?

Pesquisadores criou em laboratório uma sinapse artificial e capaz de aprender sozinho. Este é, provavelmente, o primeiro passo para a realização de circuitos mais complexos, que vai abrir a porta para novos avanços importantes na compreensão do cérebro humano. O dispositivo criado em laboratório que simula perfeitamente as características de um sinpasi. É, portanto, capaz de receber e processar uma resposta com base no tipo de informações.
Para ser capaz de recriar a transmissão de sinais entre um neurônio e outro, os pesquisadores aplicaram um filme de ultra-finas, feitas com materiais de materiais. Esta camada fotoelétrico foi colocado entre dois eletrodos, um dos quais é possível ajustar a resistência usando pulsos de tensão.
Assim, as sinapses artificiais tem uma conexão maior quando se tem uma baixa resistência, enquanto uma alta resistência faz com que uma fraca ligação.
A equipe de cientistas desenvolveu um dispositivo que pode aprender uma série de comandos que são repetidos. Este resultado representa um importante ponto de viragem no campo da inteligência artificial estão trabalhando nisso também diferente para os gigantes da informática.
O futuro da inteligência artificial
Deve ser dito que este resultado constitui um primeiro pequeno passo, mas ainda há muito a fazer para ser capaz de recriar as diferentes ligações do cérebro humano, um órgão complexo em que circuitos neurais no cérebro passam por constantes mudanças em resposta aos vários estímulos provenientes do ambiente externo.